fbpx

Blog

Entrevista de emprego: como contar minha história profissional
Aprimorha, Carreira, Dicas, Entrevistas

Entrevista de emprego: como contar minha história profissional

A grande dúvida de muitos profissionais durante uma entrevista de emprego, seja online ou presencial, é a forma de desenvolver sua história profissional, de maneira interessante, coerente e que envolva o/a recrutador(a) do início ao fim.

Entrevistamos a Consultora de Carreira Sênior na Aprimorha, Lívia Junquer, para responder essa pergunta, além de dar dicas importantes para utilizar durante uma entrevista de emprego.

Lívia, como o profissional pode tornar sua história interessante durante a entrevista de emprego?

Lívia: Quando falamos de uma entrevista, o profissional deve contar a história colocando elementos únicos. Geralmente durante a entrevista, o profissional acaba sendo muito técnico ou repete apenas o que está no currículo. Ele deve ir além. Eu brinco sobre “colocar o sorriso na voz”, ou seja, ir oscilando o tom de voz conforme ele vai contando sua trajetória.

Na Aprimorha trabalhamos com o método de storytelling, que é contar uma história. Eu faço a seguinte analogia: Imagine que você assistiu um filme ou leu um livro e precisa contar essa história para alguém. Como você conta? Seguindo a sequência do começo, meio e fim, com uma ordem cronológica. Na entrevista é a mesma coisa, você vai primeiro contextualizar, apresentando onde era a empresa, o que era o seu cargo, como você o exercia e então alguma situação específica.

Na sequência você irá discorrer sobre aquela situação, colocando elementos, o que aconteceu, como foi, para no final ter um desfecho, de preferência positivo.

Para contar sua história profissional, o ideal é sempre começar da mais antiga, para que ele consiga mostrar a evolução, o aprendizado. Eu brinco como se fosse a jornada do herói, como ele chegou até lá, os obstáculos que ele enfrentou e como ele superou esses obstáculos até chegar na posição atual. Fica mais fácil para o recrutador entender o que ele está buscando, quais são as habilidades, os gaps e assim direcionar para uma possível vaga.

Outra dica é sempre falar de responsabilidades e resultados, não precisa especificar ou contar muito a fundo, mas pelo menos citar para prender a atenção do recrutador, criando um vínculo com ele, isso é muito importante. Outra dica para se atentar, é não ficar na postura de um robô, pois isso afasta a atenção do recrutador, fazendo com que ele se perca em sua história. O ideal é que o profissional tenha em mente o que ele vai falar, se preparando e estudando, mas que não fique preso a isso.

Também, é importante prestar atenção no estilo do recrutador, no tempo de entrevista, nas perguntas que são feitas e que o profissional tenha uma linha do tempo da sua trajetória profissional, para que ele possa falar aquilo que for relevante em sua história e que faz sentido levar para a entrevista. Por exemplo, se o profissional participou de um projeto importante na empresa anterior, ou de uma reestruturação, situações que brilham os olhos dele, isso é bem legal de levar para a entrevista, porque a voz do profissional muda, o semblante irá mudar, porque ele irá se envolver na história junto com o recrutador, colocando um pouco de sua personalidade na história. Pessoas se conectam com pessoas e isso é extremamente importante.

Como os profissionais podem ressaltar as soft skills em seu perfil, sem que pareça arrogante ou falacioso, demonstrando que ele realmente exerce essas habilidades em sua vida profissional?

Lívia: Uma opção é quando esse profissional discorrer sobre a trajetória profissional dele, levar isso de uma forma sutil. Então se você foi promovido ou recebeu um convite para trabalhar em uma empresa, como foi esse convite? Como você chegou até essa situação? Ninguém é promovido do nada, com certeza foi um reconhecimento.

Então contar qual foi o resultado, envolvendo essas habilidades que o profissional pretende destacar ao longo da história, é uma maneira eficiente para demonstrar na prática como ele se desenvolve no ambiente profissional a partir dessas habilidades. O “como” é a melhor forma de vender as soft skills. Como chegou naquele resultado? Como convenceu o seu gestor? Como você montou aquele relatório? Isso facilita para o recrutador entender como aquele profissional aplica na prática essas habilidades.

Durante uma entrevista de emprego, existem alguns sinais que indicam desinteresse na postura do recrutador?

Lívia: Depende do estilo do recrutador. Ele pode começar a cortar o candidato, como forma de encurtar a fala do profissional, ou ele pode ficar olhando para baixo, fazendo anotações, prestar atenção no relógio, entre outros sinais sutis que podem indicar essa falta de interesse.

Às vezes o candidato fica muito preocupado com aquilo que ele irá responder, e esquece de responder o que realmente o recrutador quer saber. É importante que o profissional faça essa leitura do ambiente, para compreender o que de fato aquele recrutador está buscando, além de prestar atenção se ele realmente está interessado em saber sobre o assunto abordado.

Fique de olho aqui no Blog da Aprimorha para mais artigos como este e, não se esqueça, entre em contato conosco para tirar todas as suas dúvidas:

Campinas: (19) 3090-3315 | (11) 3090-9393 | (19) 98605-1645
Belo Horizonte: (31) 2342-0881
São José dos Campos: (12) 3042-1171

  • Este campo é para fins de validação e não deve ser alterado.